Notícia

Algas protege contra câncer, MRSA e outras infecções


As algas contêm importantes substâncias ativas contra o MRSA e o câncer de pele

Em uma alga, foram identificados componentes bioativos anteriormente desconhecidos que podem ser usados ​​para combater bactérias infecciosas, como o MRSA, e para tratar o câncer de pele.

No atual estudo do GEOMAR Helmholtz Center for Ocean Research Kiel, novos componentes bioativos foram encontrados em espécies de algas que poderiam melhorar o tratamento do câncer de pele e a proteção contra bactérias infecciosas. Os resultados foram publicados na revista em inglês "Marine Drugs".

Potencial para desenvolvimento de medicamentos

Organismos marinhos e seus simbiontes microbianos podem ser usados ​​para curar doenças humanas. Já existem doze medicamentos importantes e que salvam vidas, por exemplo contra o câncer, que foram desenvolvidos a partir de organismos marinhos e sua microbiota simbiótica. Segundo os pesquisadores, os produtos naturais do mar têm um potencial de desenvolvimento de drogas quatro vezes maior que o de outros compostos naturais ou sintéticos. No entanto, o longo potencial e o caro processo de desenvolvimento dificultam o alto potencial de desenvolvimento de medicamentos.

Novos ingredientes bioativos foram identificados

Usando as mais recentes abordagens analíticas relacionadas à informática bioquímica e aprendizado de máquina, novos componentes bioativos do bexiga (Fucus vesiculosus), que também é nativo do Mar Báltico, e um simbionte fúngico que poderia ser usado contra bactérias infecciosas e câncer de pele foram agora identificados.

Problemas de isolamento molecular

Para encontrar substâncias marinhas ativas, primeiro extraem-se macro e microorganismos, seguidos pela limpeza e caracterização de ingredientes químicos novos e bioativos, que serão utilizados no futuro no desenvolvimento de agentes terapêuticos. Um grande problema na descoberta de drogas é o isolamento de moléculas naturais conhecidas usando técnicas clássicas de isolamento baseadas em bioatividade. Esse processo é extremamente complicado e, infelizmente, tem o potencial de muitos erros surgirem, explicam os pesquisadores.

Como o problema poderia ser resolvido?

O grupo de pesquisa tentou resolver esse problema com abordagens automatizadas, auxiliadas por computador, em combinação com a triagem de bioatividade. Durante um estudo durante um período de um ano, verificou-se que as algas marrons examinadas inibiram o crescimento do Staphylococcus aureus resistente à meticilina, bactéria patogênica (MRSA). O MRSA é responsável por muitas infecções hospitalares muito perigosas.

Vantagens do novo método

Os algoritmos utilizados na investigação resumem as substâncias como famílias moleculares com base em suas similaridades químicas identificadas em análises espectrométricas de massa em redes complexas. Com a ajuda de ferramentas de aprendizado de máquina, é possível identificar quimicamente e novos compostos no extrato. Então, com a ajuda da bioinformática, o chamado escore de bioatividade das moléculas é previsto de acordo com sua frequência relativa nas frações, após o que os compostos bioativos podem então ser isolados de maneira direcionada.

Novo processo economiza muito tempo

Normalmente levaria três a quatro anos desde a extração até a caracterização dos ingredientes bioativos das algas usando métodos tradicionais. Felizmente, o uso de ferramentas automatizadas pode acelerar a descoberta direcionada de novos antibióticos naturais para alguns meses.

Moléculas de algas também podem proteger as pessoas

“Na natureza, a destruição da bexiga geralmente está sob forte pressão da vegetação e formação de biofilme a partir de milhões de microorganismos na água do mar. Portanto, os compostos ligados à membrana, como os identificamos, são de grande importância ecológica para a proteção das algas. Essas moléculas, que desempenham um papel importante nos habitats naturais, geralmente também mostram atividades contra patógenos humanos ”, explica a autora do estudo, Professora Deniz Tasdemir, do Centro GEOMAR Helmholtz de Pesquisa do Oceano Kiel, em um comunicado à imprensa.

Potencial de aplicação da destruição da bexiga na indústria de alimentos?

Como a vesícula biliar é uma alga comestível, as atividades mencionadas acima a tornam uma fonte atraente de medicamentos e também suplementos ou proteção alimentar, acrescenta o especialista. O grupo de pesquisa planeja investigar em seguida o potencial de aplicação da vesícula biliar na indústria de alimentos.

120 cogumelos simbióticos da bexiga já foram isolados

Existem muitos fungos nas algas marinhas que vivem em simbiose com o hospedeiro. Isso os torna candidatos promissores na descoberta e desenvolvimento de novos medicamentos. A equipe já isolou mais de 120 cogumelos simbióticos da destruição da bexiga. Especificamente, um gênero de cogumelos chamado Pyrenochaetopsis sp. investigado em mais detalhes porque esse fungo mata células cancerígenas da pele do tipo melanoma, mas ao mesmo tempo mostra baixa toxicidade para as células normais da pele. O fungo também tem um inventário químico extremamente rico, relatam os pesquisadores.

Fungo tem potencial para combater câncer de pele

Segundo o professor Tasdemir, este é apenas o segundo estudo químico sobre o gênero de cogumelos Pyrenochaetopsis, anteriormente inexplorado. Cogumelos isolados da rachadura da bexiga e cultivados em laboratório são uma fonte estabelecida de agentes anticâncer naturais. As pesquisas mais recentes identificaram várias novas substâncias naturais (pyrenosetine A e B) com alto potencial de combate ao câncer de pele.

Muitos medicamentos são baseados em fontes do mar

“A natureza é a fonte de mais da metade de todos os medicamentos modernos que usamos hoje. O acesso às ferramentas revolucionárias de genômica, bioinformática e aprendizado de máquina permite novas descobertas sem precedentes de agentes marinhos, além de análises mais eficientes para o desenvolvimento posterior de medicamentos com parceiros industriais ”, conclui o professor Tasdemir. (Como)

Informação do autor e fonte

Este texto corresponde às especificações da literatura médica, diretrizes médicas e estudos atuais e foi verificado por médicos.

Inchar:

  • Larissa Buedenbender, Francesca Anna Astone, Deniz Tasdemir: Rede Molecular Bioativa para Mapear os Constituintes Antimicrobianos da Alga Fucus vesiculosus do Báltico Marrom, em Marine Drugs (publicado em 13 de junho de 2020), Marine Drugs
  • GEOMAR Helmholtz Center for Ocean Research Kiel: Substâncias ativas das algas marinhas de Kiel descobertas como remédio para infecções e câncer de pele (publicado em 02.07.2020), GEOMAR Helmholtz Center for Ocean Research Kiel


Vídeo: Manejo de Infecciones por MRSA Subtitulado POR - (Novembro 2021).