Notícia

Obesidade: células de gordura desencadeiam uma reação inflamatória em cadeia


As células adiposas enfraquecem a resposta imune e interrompem o metabolismo

Na obesidade, suas próprias células adiposas podem desencadear uma complexa reação inflamatória em cadeia que interrompe seu metabolismo e pode enfraquecer a resposta imune. Isso pode afetar negativamente o curso de uma variedade de doenças.

Um recente estudo conjunto da Faculdade de Medicina da Universidade de Cincinnati e do Centro Médico do Hospital Infantil de Cincinnati descobriu que as células adiposas de pessoas com obesidade podem desencadear uma reação inflamatória em cadeia que pode piorar certas doenças. Os resultados do estudo foram publicados na revista em inglês "Nature Communications".

O que são interferões do tipo I?

Os chamados interferons do tipo I são normalmente produzidos por células imunológicas. Os interferões também podem ser produzidos por células adiposas (adipócitos). Esses interferons causam uma resposta imune fraca constante, o que aumenta o ciclo inflamatório no tecido adiposo branco.

A inflamação desencadeia uma cascata de respostas celulares

Essa inflamação, por sua vez, parece desencadear uma cascata de respostas celulares favorecidas por doenças relacionadas à obesidade - particularmente diabetes tipo 2 e doenças hepáticas gordurosas não alcoólicas.

Efeitos negativos do interferão tipo I

Os resultados da investigação atual mostram como o interferon tipo I, que é percebido pelos adipócitos, suporta seu potencial inflamatório. Isso aumenta os distúrbios metabólicos associados à obesidade. Além disso, os resultados ressaltam um papel subestimado dos adipócitos como uma das causas da inflamação total na obesidade, relatam os pesquisadores.

Os interferões do tipo 1 têm um grande impacto na inflamação

O presente estudo mostra como os interferons do tipo 1 interagem com os receptores de IFNa (IFNAR), desencadeando um verdadeiro círculo vicioso de inflamação. Os efeitos incluem, por exemplo, alterações na expressão de vários genes, que estão associados à inflamação, glicólise e produção de ácidos graxos. Por exemplo, camundongos que consomem uma dieta de obesidade apresentaram aumento da assinatura do IFN Tipo I, incluindo expressão aumentada dos genes Ifnb1, Ifnar1, Oas1a e Isg15.

O que os resultados sugerem?

Foi demonstrado que o eixo do interferon tipo I pode alterar a programação inflamatória do núcleo adipocitário, para que se aproxime de uma célula imune inflamatória, explica o grupo de pesquisa. Os pesquisadores também relatam que os interferons do tipo I modificam o metabolismo dos adipócitos, que parece ser a primeira representação de uma modulação imune mediada pelo metabolismo no núcleo dos adipócitos.

A obesidade pode aumentar o risco de parto prematuro

A interação entre obesidade e sistema imunológico também parece aumentar o risco de parto prematuro, segundo a equipe de pesquisa. Essa interação reduz a capacidade do organismo de combater infecções, incluindo vírus como a doença de COVID-19.

Pesquisas adicionais já estão em andamento

Outras pesquisas já estão investigando os mecanismos específicos que os interferons tipo I usam para modular o metabolismo nuclear dos adipócitos. Os pesquisadores também continuam investigando como os adipócitos podem imitar a capacidade das células imunes inflamatórias. (Como)

Informação do autor e fonte

Este texto corresponde às especificações da literatura médica, diretrizes médicas e estudos atuais e foi verificado por médicos.

Inchar:

  • Calvin C. Chan, Michelle S.M.A. Damen, Maria E.Moreno-Fernandez, Traci E. Stankiewicz, Monica Cappelletti et al.: A detecção de interferon tipo I desbloqueia o potencial inflamatório adipócito adormecido, em Nature Communications (publicado em 2 de junho de 2020), Nature Communications



Vídeo: Mulher mais gorda do Brasil pesa 360 quilos (Dezembro 2021).