Notícia

Medicamento COVID-19 apresenta efeitos colaterais mortais


Medicamento usado para tratar COVID-19 acarreta risco de efeitos colaterais graves

A hidroxicloroquina é um medicamento aprovado para o tratamento da malária. Atualmente, o medicamento também é usado contra o COVID-19. Isso não é isento de riscos, porque estudos vincularam o medicamento a batimentos cardíacos graves, em alguns casos fatais e irregulares.

O Instituto Federal de Medicamentos e Dispositivos Médicos (BfArM) destaca em uma comunicação atual que a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) lembra em seu site o risco de efeitos colaterais graves ao usar hidroxicloroquina (e cloroquina).

Maior mortalidade

A hidroxicloroquina é usada durante a atual pandemia de coronavírus no tratamento de pacientes com COVID-19 e está sendo investigada em estudos clínicos. No entanto, os dados clínicos ainda são muito limitados e pouco claros.

Por exemplo, pesquisadores dos EUA relataram em um artigo publicado no servidor de pré-impressão medRxiv que a hidroxicloroquina não tem efeito positivo em pessoas com COVID-19. Pelo contrário, a mortalidade foi ainda maior entre os pacientes tratados com a preparação.

Mas outras investigações ainda estão em andamento.

Nunca use medicamentos sem supervisão médica

De acordo com o BfArM, a hidroxicloroquina e a cloroquina em relação ao COVID-19 devem ser preferencialmente utilizadas em estudos clínicos. O medicamento nunca deve ser usado sem receita médica e sem supervisão médica.

Segundo especialistas, sabe-se que a hidroxicloroquina causa arritmia cardíaca. Esses distúrbios podem ser exacerbados pela administração simultânea de outras substâncias ativas (como o antibiótico azitromicina), que podem desencadear efeitos colaterais semelhantes no coração.

Um estudo recente publicado no servidor de pré-impressão medRxiv indica um risco aumentado de efeitos colaterais cardíacos e aumento da mortalidade cardiovascular quando a hidroxicloroquina é usada concomitantemente com azitromicina.

Os efeitos colaterais não afetam apenas o coração

Atualmente, a hidroxicloroquina é aprovada para o tratamento da malária e de certas doenças autoimunes.

Além dos efeitos colaterais que afetam o coração, sabe-se que a droga potencialmente causa distúrbios da função hepática e renal, danos às células nervosas que podem levar a crises epilépticas e baixo nível de açúcar no sangue (hipoglicemia).

Embora efeitos colaterais graves possam ocorrer nas doses recomendadas, o risco de tais efeitos colaterais aumenta novamente quando doses mais altas são usadas, explica o BfArM. Segundo as informações, isso se aplica, em particular, a distúrbios na condução elétrica do coração que prejudicam o ritmo cardíaco (prolongamento do intervalo QT).

Monitore os pacientes de perto

Os profissionais de saúde são aconselhados a monitorar de perto os pacientes com COVID-19 que recebem hidroxicloroquina e a considerar condições cardíacas pré-existentes que podem tornar os pacientes mais suscetíveis a batimentos cardíacos irregulares.

As verificações de ECG antes e regularmente durante o tratamento devem ser consideradas.

De acordo com o BfArM, os profissionais de saúde devem considerar cuidadosamente o risco de efeitos colaterais, especialmente em doses mais altas, e ser particularmente cuidadosos ao combinar esse tratamento com outros medicamentos, como a azitromicina, que podem ter efeitos colaterais semelhantes no coração.

Relatar efeitos colaterais suspeitos

Os pacientes e profissionais de saúde são solicitados a relatar quaisquer efeitos colaterais suspeitos. Há informações sobre isso neste site.

O BfArM e as outras autoridades nacionais responsáveis ​​estão monitorando de perto a situação juntamente com a EMA e reforçaram seu monitoramento de segurança dos medicamentos utilizados no tratamento do COVID-19, a fim de poder tomar medidas em tempo útil, se necessário.

O instituto resumiu informações detalhadas sobre o uso off-label de hidroxicloroquina no COVID-19 em uma página especial. (de Anúncios)

Informação do autor e fonte

Este texto corresponde às especificações da literatura médica, diretrizes médicas e estudos atuais e foi verificado por médicos.

Inchar:

  • Instituto Federal de Medicamentos e Dispositivos Médicos (BfArM): Hidroxicloroquina: Risco de efeitos colaterais graves quando usado no tratamento do COVID-19, (acessado em 2 de maio de 2020), Instituto Federal de Medicamentos e Dispositivos Médicos (BfArM)
  • Agência Europeia de Medicamentos (EMA): COVID-19: lembrete de risco de efeitos colaterais graves com cloroquina e hidroxicloroquina, (acesso: 02.05.2020), Agência Europeia de Medicamentos (EMA)
  • Lane et al.: Segurança da hidroxicloroquina, isoladamente e em combinação com a azitromicina, à luz do rápido uso generalizado do COVID-19: um estudo multinacional, de coorte de rede e série de casos auto-controlada; medRxiv, (publicado em 10 de abril de 2020), medRxiv
  • Joseph Magagnoli, Siddharth Narendran, Felipe Pereira, Tammy Cummings, James W. Hardin, S. Scott Sutton, Pharm.D., Jayakrishna Ambati: Resultados do uso de hidroxicloroquina em veteranos dos Estados Unidos hospitalizados com Covid-19; medRxiv, (publicado em 21 de abril de 2020), medRxiv
  • Instituto Federal de Medicamentos e Dispositivos Médicos (BfArM): Relatório de efeitos colaterais em relação ao COVID-19, (acessado em 02.05.2020), Instituto Federal de Medicamentos e Dispositivos Médicos (BfArM)
  • Instituto Federal de Medicamentos e Dispositivos Médicos (BfArM): RSS-Feed: Coronavirus SARS-CoV-2, (acessado em 02.05.2020), Instituto Federal de Medicamentos e Dispositivos Médicos (BfArM)


Vídeo: Estudo encontra medicamento capaz de reduzir mortes por Covid-19. Primeiro Impacto 170620 (Novembro 2021).