Notícia

Indicações para o autismo já podem ser encontradas em bebês


É possível o diagnóstico precoce do autismo em bebês?

Um chamado distúrbio do espectro do autismo pode ser detectado em crianças a partir dos dois anos de idade. Pesquisadores suecos já mostraram sinais de autismo em crianças mais novas, examinando o movimento dos olhos.

A pesquisa mais recente da Universidade de Uppsala descobriu que o movimento dos olhos do bebê pode indicar autismo. Os resultados do estudo foram publicados na revista de língua inglesa "Biological Psychiatry".

Menos motivação social em bebês com ASA

Ao medir o movimento dos olhos, os pesquisadores testaram o padrão de resposta dos bebês quando foram expostos a estímulos visuais. Mais tarde, eles reexaminaram as crianças com três anos de idade para determinar se tinham um Transtorno do Espectro do Autismo (ASS). Os resultados sugerem que crianças com ASA mostram menos motivação social do que bebês.

Movimento ocular para comunicação

Os bebês e os pais costumam usar a voz ou outros sinais para compartilhar experiências. Crianças pequenas podem chamar a atenção de um adulto fazendo barulho. Esta é uma maneira importante pela qual os bebês aprendem a linguagem e as habilidades sociais. No entanto, antes que eles possam falar ou mostrar, os bebês usam os olhos para influenciar os pais. Eles podem olhar para frente e para trás entre os pais e um gato, balão ou pássaro para mostrar seu interesse. Essa comunicação precoce e silenciosa agora foi investigada pelos pesquisadores. Eles queriam descobrir se havia diferenças em bebês de dez meses examinando os movimentos dos olhos, levando em consideração o risco de autismo.

Eye-Tracker gravado movimento ocular

O estudo incluiu crianças que tiveram irmãos mais velhos com autismo. A maioria dos irmãos mais novos de crianças diagnosticadas com TEA se desenvolve normalmente. Apesar disso, é mais provável que sejam diagnosticados com ASA do que a população em geral, relatam os autores do estudo. Como grupo de controle, os pesquisadores usaram crianças nas quais o risco de ASA não aumentou. Um total de 112 bebês participou de experimentos divertidos, enquanto um chamado rastreador ocular registrou seu olhar. Os resultados mostram que bebês com autismo não tomam tanta iniciativa quanto normalmente se comunicam com adultos.

Como foi criado o experimento?

Os bebês estavam de joelhos dos pais durante o exame, quando uma lâmpada incomum e colorida começou a piscar de repente. A lâmpada piscou por dez segundos, para que a criança tivesse tempo de se comunicar com os pesquisadores sentados ao lado da lâmpada. Uma parede entre os pesquisadores e a lâmpada sugeria ao bebê que os pesquisadores não podiam ver a lâmpada. Onde e com que frequência as crianças mudaram o olhar foram medidas usando a tecnologia de rastreamento ocular. Isso contava com que frequência o bebê mudava de direção e também registrava para onde o olhar da criança era direcionado.

O que a investigação revelou?

Todas as crianças seguiram o olhar do pesquisador, independentemente de terem ou não sido diagnosticadas posteriormente com ASA. No entanto, houve diferenças em como as crianças estavam ansiosas para chamar a atenção do pesquisador para as luzes e conscientizá-las da luz. A maioria dos bebês olhava de um lado para o outro entre o flash e o pesquisador várias vezes, como se quisessem compartilhar a experiência com o adulto. No entanto, os bebês que mais tarde foram diagnosticados com ASA raramente tomaram a iniciativa de compartilhar suas próprias experiências com os adultos. Eles raramente olhavam de um lado para o outro entre a lâmpada e o adulto. Essas crianças estavam em maior risco de serem diagnosticadas com TEA mais tarde na vida. Os pesquisadores acreditam que isso apóia a hipótese de que crianças com autismo mostram sinais de motivação social reduzida desde a infância. Os autores assumem que os resultados também podem ser relevantes para a interação social fora da situação laboratorial. As diferenças eram vagas e podem ser difíceis de ver a olho nu. No entanto, é bem possível reconhecê-los com modernos dispositivos de rastreamento ocular.

Houve alguma restrição no estudo?

Havia claras diferenças estatísticas entre crianças saudáveis ​​e crianças que mais tarde foram diagnosticadas com ASA. No entanto, a precisão era muito baixa para prever o que aconteceria com cada criança. Também houve exceções nos dois grupos. Portanto, é muito cedo para dizer se esse tipo de medição pode ser desenvolvido como um método para a detecção precoce do autismo no futuro. (Como)

Artigos mais interessantes sobre esse tópico podem ser encontrados aqui:

  • Novo teste pode detectar autismo em crianças mais cedo
  • Relação entre alergias alimentares e autismo demonstrada
  • Estudo: Pesticida conhecido pode causar autismo em crianças

Informação do autor e fonte

Este texto corresponde às especificações da literatura médica, diretrizes médicas e estudos atuais e foi verificado por médicos.

Inchar:

  • Pär Nyström, Emilia Thorup, Sven Bölte, Terje Falck-Ytter: atenção conjunta na infância e o surgimento do autismo, em psiquiatria biológica (consulta: 15.07.2019), psiquiatria biológica


Vídeo: 10 PRIMEIROS SINAIS de AUTISMO em BEBÊS até 2 ANOS (Janeiro 2022).