Notícia

Descoberto: a preferência por café e álcool é baseada em sentimentos


A propensão a bebidas amargas ou doces é baseada em sentimentos e não em sabor

Se você está convencido de que bebe café ou álcool porque gosta do sabor amargo das bebidas, de acordo com os resultados de um novo estudo, isso pode não ser totalmente realidade. As preferências por bebidas amargas ou doces não se baseiam em nosso senso de paladar, mas em como nos sentimos com o consumo das bebidas.

Os resultados de um estudo recente da Faculdade de Medicina Feinberg da Northwestern University, em Chicago, mostram que nossa preferência por bebidas amargas ou doces não se baseia no sabor, mas em nossos sentimentos. O estudo foi publicado na revista de língua inglesa "Human Molecular Genetics".

Algumas bebidas podem causar doenças

Em seu estudo, os pesquisadores procuraram razões genéticas para o sabor das bebidas, pois esse entendimento poderia ajudar a melhorar a nutrição das pessoas. As bebidas são uma parte importante da nossa ingestão calórica diária. Bebidas açucaradas podem contribuir para a obesidade e problemas de saúde bucal, enquanto o álcool está associado a mais de 200 doenças e representa cerca de seis por cento das mortes em todo o mundo.

Componentes psicoativos em bebidas influenciam preferências

A genética subjacente às nossas preferências está relacionada aos componentes psicoativos dessas bebidas, explicam os autores do estudo. As pessoas gostam do clima em que consomem café ou álcool. É por isso que eles bebem essas bebidas, não por causa do sabor. A pesquisa encontrou um marcador genético para apoiar essas alegações: as pessoas que carregavam uma variante do chamado gene FTO (a mesma variante anteriormente associada a um menor risco de obesidade) na verdade preferiam bebidas açucaradas.

O consumo de bebidas de mais de 330.000 pessoas foi estudado

Não se sabe exatamente como o FTO está relacionado à obesidade. O gene FTO provavelmente desempenha um papel no comportamento ou no controle de peso. O presente estudo é o estudo de associação mais abrangente do genoma sobre o consumo de bebidas. Para o estudo, os pesquisadores registraram o consumo de bebidas doces e amargas em cerca de 336.000 pessoas. As bebidas classificadas como amargas incluem café, chá, suco de toranja, cerveja, vinho tinto e outras bebidas alcoólicas. As bebidas doces incluem refrigerantes e sucos (exceto suco de toranja). (Como)

Informação do autor e fonte



Vídeo: Cafeína concentrada não deve ser aliada ao consumo de alcool (Novembro 2021).