Notícia

Os arbustos da Califórnia contêm um ingrediente ativo contra a doença de Alzheimer?

Os arbustos da Califórnia contêm um ingrediente ativo contra a doença de Alzheimer?


We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Descobriu novo ingrediente ativo para o tratamento da doença de Alzheimer?

Muitos medicamentos conhecidos são originalmente baseados em substâncias vegetais. Os médicos agora determinaram que um poderoso medicamento neuroprotetor e anti-inflamatório de arbustos na Califórnia poderia ajudar a tratar a doença de Alzheimer.

Em sua investigação atual, os cientistas do Salk Institute descobriram que um ingrediente ativo que ocorre naturalmente em arbustos na Califórnia poderia no futuro ser usado para tratar a doença de Alzheimer. Os especialistas publicaram os resultados de seu estudo na revista de língua inglesa "Redox Biology".

Como podemos evitar os efeitos do envelhecimento no cérebro?

Alzheimer leva a muitas mortes em todo o mundo. Como a idade é um importante fator de risco para a doença de Alzheimer, os pesquisadores procuraram maneiras de combater os efeitos do envelhecimento no cérebro. A identificação da esterubina como um potente componente neuroprotetor de uma planta chamada Yerba santa (Eriodictyon californicum) da Califórnia é um passo promissor nessa direção, explicam os autores do estudo.

Tribos nativas usavam a planta como remédio

Tribos nativas da Califórnia, que chamavam a planta de erva sagrada em espanhol, há muito tempo usam a erva Santa por causa de suas propriedades medicinais. As folhas foram usadas para tratar problemas respiratórios, febre e dor de cabeça. Folhas batidas foram usadas em envelopes para feridas, dores musculares e reumatismo.

Como foi realizada a investigação?

Para identificar substâncias naturais que poderiam reverter os sintomas de um distúrbio neurológico, os cientistas usaram um método de triagem para procurar substâncias ativas com a ajuda de uma biblioteca comercial de 400 extratos de plantas com propriedades farmacológicas conhecidas. Os especialistas já haviam usado essa abordagem para identificar outras substâncias ativas (chamadas flavonóides) de plantas que possuem propriedades anti-inflamatórias e neuroprotetoras. Os médicos descobriram uma molécula chamada esterubina como o componente mais ativo da Yerba Santa. A esterubina e outros extratos vegetais foram examinados quanto ao seu impacto no consumo de energia nas células nervosas do camundongo, bem como em outras vias de neurotoxicidade e sobrevivência relacionadas à idade, diretamente relacionadas ao metabolismo energético reduzido, ao acúmulo de proteínas agregadas e inflamadas mal dobradas que ocorrem no Alzheimer.

Efeito de esterubina

A esterubina teve um forte efeito anti-inflamatório nas células cerebrais chamadas microglia. A droga também removeu efetivamente o ferro. Isso pode ser potencialmente benéfico, pois o ferro pode contribuir para o dano das células nervosas no envelhecimento e em doenças neurodegenerativas. No geral, a conexão foi eficaz contra vários indutores de morte celular nas células nervosas, explicam os cientistas. "Este é um composto conhecido, mas ignorado", afirmou a autora do estudo, Pamela Maher, do Laboratório de Neurobiologia Celular de Salk, em um comunicado à imprensa. A esterubina é muito mais ativa que os outros flavonóides da erva-papai noel e funcionou ainda melhor.

Mais pesquisas são necessárias

Os especialistas planejam testar a esterubina em um modelo animal da doença de Alzheimer e, em seguida, determinar as propriedades semelhantes às drogas e os valores de toxicidade nos animais. Com esses dados, pode ser possível testar a conexão em humanos, embora seja crítico o uso de esterubina derivada de plantas cultivadas em condições controladas e padronizadas. (Como)

Informação do autor e fonte



Vídeo: Quando está indicado o uso de medicamentos para acalmar uma pessoa com Alzheimer (Pode 2022).