Notícia

Refrigerantes açucarados aumentam o risco de câncer de mama


Relação entre consumo de bebida açucarada e incidência de câncer de mama

Há muito se sabe que refrigerantes doces não são bons para sua saúde. As mulheres em particular devem melhor evitá-lo. Porque, como pesquisadores da Espanha já demonstraram em um estudo, existe uma conexão entre o consumo de bebidas açucaradas e a incidência de câncer de mama.

Refrigerantes não saudáveis

"Geralmente, as bebidas açucaradas devem ser consumidas apenas em pequenas quantidades, pois contêm muitas calorias e podem contribuir para o desenvolvimento do excesso de peso", escreve a Sociedade Alemã de Nutrição (DGE) em seu site. Além disso, o consumo frequente de refrigerantes e cola pode levar a problemas de saúde, como cáries, pressão alta e diabetes. E os refrigerantes aparentemente também aumentam o risco de câncer de mama, como descobriram os pesquisadores espanhóis.

Fatores de risco para câncer de mama

O câncer de mama, também chamado de câncer de mama, é o tumor maligno mais comum em mulheres. Somente na Alemanha, até 70.000 novos casos são contados a cada ano.

Como na maioria dos outros cânceres, as causas reais são desconhecidas. No entanto, alguns fatores de risco para câncer de mama são conhecidos.

O risco aumenta com a idade, entre outras coisas, através do histórico familiar, alterações genéticas e tabagismo. Muita gordura corporal, consumo frequente de carne processada e colesterol alto também estão associados a um risco aumentado de câncer de mama.

Além disso, maior resistência à insulina pode levar a um risco aumentado de câncer de mama, relatam pesquisadores da Universidade de Navarra em Pamplona (Espanha) na revista "European Journal of Nutrition".

Hormônio importante

O hormônio insulina é necessário pelo corpo humano para absorver o açúcar que está presente no sangue após a ingestão, nas células do corpo, onde é usado.

No entanto, se o corpo não reage de maneira ideal à insulina, ou seja, se tornou resistente à insulina, isso é chamado de resistência à insulina.

Existem várias causas possíveis que causam o desenvolvimento de resistência à insulina.

Entre outras coisas, os fatores nutricionais desempenham um papel e, acima de tudo, o consumo de refrigerantes adoçados com açúcar, como cola, refrigerante ou chá gelado.

Refrigerantes podem aumentar a resistência à insulina

Os cientistas espanhóis também escrevem que as bebidas açucaradas são um fator reconhecido que aumenta a resistência à insulina.

No entanto, a ligação entre essas bebidas e o câncer de mama não foi totalmente investigada.

Em seu estudo, os especialistas analisaram a conexão entre o consumo de refrigerantes e a incidência de câncer de mama em mulheres relativamente jovens.

Dados de mais de 10.000 mulheres universitárias analisadas

Os pesquisadores analisaram dados de um total de 10.713 diplomados universitários espanhóis de meia-idade (média de 33 anos) da coorte Seguimiento Universidad de Navarra (SUN).

Todas as participantes estavam livres de câncer de mama no início do estudo.

No início do estudo, o consumo de bebidas açucaradas pelos participantes foi registrado por meio de um questionário nutricional.

A incidência de câncer de mama foi confirmada por um oncologista treinado, usando registros médicos.

Mais doenças em mulheres na pós-menopausa

Ao longo do período de observação, 100 mulheres desenvolveram câncer de mama.

Os pesquisadores descobriram que as mulheres na pós-menopausa estavam associadas ao consumo regular de bebidas açucaradas com uma incidência significativamente maior de câncer de mama do que as mulheres que nunca ou raramente consumiram essas bebidas.

Não foi encontrada associação em mulheres na pré-menopausa.

Conclusão dos autores: Embora o número de casos tenha sido pequeno, foi observada uma relação direta entre o consumo de bebidas açucaradas e o risco de câncer de mama em mulheres na pós-menopausa.

No entanto, são necessários estudos longitudinais maiores para provar essa conexão. (de Anúncios)

Informação do autor e fonte


Vídeo: Consumo de bebidas açucaradas (Janeiro 2022).