Notícia

Médico: Cada segundo antidepressivo é viciante


Antidepressivos: geralmente há sintomas graves de abstinência

Os pesquisadores descobriram agora que as pessoas que tomam antidepressivos costumam ter problemas quando param de tomar esses medicamentos. Cerca de metade de todos os pacientes que tomam antidepressivos sofrem de sintomas de abstinência quando param de tomar o medicamento.

Em seu estudo atual, cientistas da Universidade de Roehampton e da Universidade de East London descobriram que a interrupção dos antidepressivos muitas vezes leva a sintomas de abstinência. Os médicos publicaram os resultados de seu estudo na revista de língua inglesa "Addictive Behaviors".

As pessoas costumam tomar antidepressivos mais do que o necessário

As diretrizes do Instituto Nacional de Excelência em Saúde e Cuidados (Nice) afirmam que os sintomas de abstinência de antidepressivos são tipicamente leves e autolimitantes por uma semana. Os especialistas exigem que essas diretrizes sejam alteradas com urgência. A alta taxa de sintomas de abstinência pode ser parcialmente a razão pela qual as pessoas tomam esses medicamentos por mais tempo do que o necessário, suspeitam os autores do estudo. Os pacientes não podem suportar os sintomas de abstinência, portanto continuam a tomar o medicamento ou seus médicos assumem que tiveram uma recaída e escrevem outra receita.

Esses antidepressivos levam a sintomas de abstinência menos graves

Antidepressivos modernos como Prozac (fluoxetina) e Seroxat (paroxetina) foram classificados como mais seguros pelos médicos. Estudos demonstraram que as overdoses raramente são fatais quando tomadas sozinhas, o que não é o caso dos benzodiazepínicos. Parar esses medicamentos também é mais fácil, dizem os especialistas.

Possíveis sintomas ao retirar antidepressivos

Houve muitos relatos de sintomas de abstinência de antidepressivos, incluindo tontura, náusea, insônia, dor de cabeça, fadiga e dificuldade de concentração. Mas as Diretrizes de Nice concluíram em 2004 que os sintomas de abstinência eram pequenos e de curta duração e foram estendidos em 2009 sem mais evidências.

Até 86% dos indivíduos sofriam de sintomas de abstinência

A investigação atual se concentrou em 14 estudos sobre antidepressivos que incluíram dados relevantes sobre os sintomas de abstinência. Esses estudos mostraram que entre 27% e 86% das pessoas que o tomavam apresentavam sintomas de abstinência, com uma média ponderada de 56%.

Mais e mais pessoas estão tomando antidepressivos

Os antidepressivos estão entre os medicamentos mais comumente prescritos no Reino Unido e nos EUA, dizem os autores. No Reino Unido, o uso aumentou 170% desde 2000, e somente na Inglaterra, mais de sete milhões de adultos (16% da população adulta na Inglaterra) receberam um antidepressivo no ano passado, acrescentam os médicos.

Os sintomas de abstinência podem durar semanas ou meses

A nova revisão de pesquisa mostra o que muitos pacientes sabem há anos que a retirada do antidepressivo geralmente causa sintomas graves e debilitantes que podem durar semanas, meses ou mais. As pessoas disseram ter tonturas e náuseas terríveis quando tomaram uma dose mais baixa do medicamento. Outras pessoas até relataram pensamentos suicidas, alucinações e mudanças de humor quando se esqueceram de tomar seus remédios.

As diretrizes existentes precisam ser revisadas

Os dados sugerem que as diretrizes médicas existentes nessa área devem ser atualizadas com urgência para refletir o fato de que a retirada do antidepressivo é muito mais frequente, grave e duradoura do que o declarado anteriormente, disseram os especialistas. (Como)

Informações do autor e da fonte


Vídeo: Neurologista ou Psiquiatra? Quem devo consultar? (Novembro 2021).